Uma nova fase de consumo


A moda é o reflexo dos comportamentos vigentes na sociedade e entramos em

uma nova fase de consumo onde toda a cadeia está sendo forçada a reavaliar

e repensar as novas formas de vestir e consumir.


O consumidor pós-pandemia terá que conjugar outros verbos além de comprar:

agora teremos que reaproveitar, customizar, repensar, emprestar, compartilhar,

trocar e quem sabe adaptar-se.


As necessidades mudaram, o isolamento social transformou comportamentos,

tanto nas pessoas quanto nas empresas. O velho tradicionalismo deixou de ser

apenas pela busca de novas tendências e acreditamos que, finalmente, o

consumidor começará a repensar muito sobre a moda com menos consumo,

menos status, mais vida real e adaptações, refletindo na criação, nos tecidos,

na confecção e até mesmo na forma de distribuição e consumo. A opção agora

é adotar roupas mais confortáveis, porém com nuances de elegância

mesclando o design clássico com doses de modernidade para proporcionar um

toque atual.


E as tendências? Ainda serão apresentadas e seguidas pelo consumidor?

O que teremos com mais frequência nas ruas?

A tendência sustentável surge com ainda mais força e a nova estação mantém

o princípio dos três “Rs”: reduzir, reutilizar e reciclar, bem como o tripé da

sustentabilidade: economia, ecologia e equidade social.


Para quem quer se envolver, criar ou modificar roupas fazendo uso de peças

que já existem, vale a pena conferir o que as coleções da nova temporada nos

trazem:


Silhueta retangular com modelagens amplas - aderidas pelo público mais

vanguardista, será uma das fortes tendências, ideal para quem curte looks

desconstruídos, despojados e confortáveis.

Aquela com gosto mais refinado - conjuntos de alfaiataria bem estruturados

com um toque bem atual.

Estampas clássicas novamente em alta - xadrez e florais. As mais ousadas -

looks totalmente animal print. Mais discretas - acessórios como sapato ou bolsa

com estampas de zebra.

As personagens características da temporada

Cores - mais escura;

Tecidos - mais pesados que trazem charme extra em vestidos e saias (evasê);

Comprimento – midi;

Modelagens - mais retas e nada de cintura marcada. 

Mangas - retornam em formas variáveis: modelagens mais infladas e

exuberantes, ombros de fora, amplas nos ombros e justas abaixo dos cotovelo,

modelos assimétricos e outros mais discretos em camisas mais sofisticadas;

Casacos - mais alongados tipo trench coat em composições com blusas finas

de malha e minissaia com meia-calça ou em produções com peças mais

pesadas de couro ou tricô que dependerá das variações de temperatura das

localidades. Para esse item as cores voltam a ser neutras: marrom, bege, caqui

e preto;

Couro - presente tanto em roupas quanto nos sapatos e acessórios, mas o

queridinho da estação será o casaco de couro;

Golas e sobreposições - em todos os tamanhos e formas, desde as mais

tradicionais e discretas, às mais dramáticas e exuberantes em camisas, blusas

e vestidos;

Dourado - seja em detalhes como franjas e recortes ou nas próprias peças, ou

até mesmo peças totalmente na cor em tecidos metalizados.


Enfim as tendências complementam o estilo pessoal e que tal abrir seu closet e

reaproveitar tudo aquilo que gera identificação com a sua personalidade?

Seja criativa nessa nova temporada!


Dalva Ferrari

Mestre em Arquitetura e Design

Especialista em Negócios de Moda