Mitos sobre 'Clareamento dental'




Ter o sorriso branco é, sem dúvida, o desejo de muita gente. O clareamento dental é um dos

procedimentos estéticos mais procurados nos consultórios odontológicos atualmente, segundo

o Cirurgião-dentista Dr. Rodrigo Matheus. “É um procedimento não invasivo, com resultados

rápidos e duradouros, além de ter com um ótimo custo-benefício”.

O clareamento dental é como uma microlimpeza de manchas presentes na estrutura interna do

dente. “O escurecimento dental é um processo que ocorre pelo envelhecimento natural dos

dentes ou por fatores denominados extrínsecos ou intrínsecos. As manchas extrínsecas são

aquelas externas, associadas ao consumo de alimentos coloridos, hábitos de higiene, cigarro,

dentre outros. Já as intrínsecas, ou internas, são manchas originadas a partir de fatores

genéticos, traumas e uso de certos antibióticos”.

Existem três tipos de tratamento clareador: o de consultório, o caseiro e o misto, que combina

esses dois num mesmo protocolo branqueador. O profissional é feito em consultório, pelo

dentista e pode envolver produtos específicos, peróxidos mais fortes e luz pulsante. Já no caseiro

é usado um gel de concentração mais fraca para ser aplicada em uma moldeira de acetato feita

pelo dentista para o paciente usar em casa. “Quando feitas pelo profissional, as sessões duram

cerca de 50 minutos, podendo ocorrer de duas a três sessões, com intervalo de 5 a 7 dias entre

cada consulta. Podem ser utilizadas luz led ou laser no processo. Na técnica com o uso de

moldeira em casa, a aplicação precisa ser feita de 30 minutos a duas horas por dia pelo paciente,

durante 30 dias em média. ”

Mesmo sendo tão procurado, o procedimento ainda causa muitas dúvidas, o que acaba por

desestimular algumas pessoas. “É um assunto que gera grandes questionamentos e, muitas

vezes, a fonte da informação não é totalmente confiável”.

Dr. Rodrigo Matheus elenca 9 mitos sobre o tratamento clareador que mais aparecem em seu

consultório:

1. “Não posso tomar café ou vinho durante o clareamento”. Mito! Estudos científicos

recentes apontam que o consumo de alimentos que contém corante não interfere

diretamente no resultado do tratamento clareador;

2. “Sensibilidade sempre ocorre no clareamento”. Mito! Essa sensibilidade pode ou não

ocorrer, varia de paciente para paciente e de acordo com a técnica do profissional. Há

técnicas de clareamento que diminuem drasticamente a sensibilidade daqueles que,

naturalmente, sofrem com o problema e não conseguem terminar, muitas vezes, o

tratamento branqueador;

3. “Cremes dentais funcionam como clareadores”. Mito! O clareamento é uma reação

química que ocorre internamente, na segunda camada do dente, a dentina. Os cremes

dentais "branqueadores" não conseguem passar pelo esmalte e chegar até ela. Além

disso, é preciso um cuidado redobrado, pois costumam ser cremes mais abrasivos que

os convencionais, podendo causar danos ao esmalte;

4. “O clareamento não traz riscos à saúde”. Mito! Os produtos utilizados no clareamento

dental são peróxidos e são cáusticos por natureza. Possuem concentrações específicas

que variam caso a caso. O uso indiscriminado e sem orientação pode causar, por

exemplo, irritações, hipersensibilidade, queimaduras e necrose pulpar, levando a dar

“canal” em um ou mais dentes;

5. “Qualquer pessoa pode fazer clareamento”. Mito! Mulheres grávidas, menores de 15

anos, pacientes com doença periodontal (gengiva) e alérgicos aos componentes da

fórmula são contraindicados. Demais casos devem ser avaliados minuciosamente pelo

profissional;

6. “O clareamento enfraquece os dentes”. Mito! O clareamento acontece devido a uma

reação química interna, onde o gel clareador age no pigmento que ocasiona o

escurecimento dental. Esse processo não é abrasivo e não afeta as estruturas dos

dentes;

7. “Os dentes sempre ficarão cor de “porcelana””. Mito! Nem sempre. Isso vai depender

da resposta biológica da estrutura dental de cada pessoa, do produto e do tipo de

técnica empregada no tratamento;

8. “Fumantes não podem fazer clareamento”. Mito! Não há contraindicação para

fumantes fazerem clareamento. O que acontece é que os dentes do paciente com o

hábito de fumar tendem a “amarelar” mais rápido após o tratamento. O clareamento

não costuma durar o mesmo tempo se comparado a um paciente não-fumante.

9. “O clareamento a laser é a técnica mais eficiente”. Mito! O clareamento dental a laser

ou com luz de LED não traz resultados superiores se não utilizados. A função da luz é,

principalmente, a de acelerar a velocidade de ação do agente clareador, diminuindo o

tempo da consulta.

O importante é que sempre haja uma avaliação prévia, pois cada caso tem sua indicação e deve

ser realizado com a orientação de um profissional. “O clareamento sem orientação do Cirurgião-dentista pode causar danos irreversíveis. Somente o profissional habilitado poderá indicar o

correto tratamento para você, sem riscos e com os melhores resultados”.



Dr Rodrigo Matheus

MClin Odontologia Integrada

Instagram: drrmatheus