A arte de criar

Decorador de sucesso, Douglas Soler conta como começou sua carreira e fala sobre suas inspirações para decorar e inovar ambientes.



O bom profissional, para compor ou decorar espaços, deve ter o olhar para a funcionalidade como um todo. A harmonia entre elementos e a segurança do ambiente determinam diferentes elementos de composição e selecionam aspectos essenciais e decorativos, como cores, iluminação e materiais.

Sendo assim, suas atribuições são muitas e seu conhecimento sobre vários componentes de arte e decoração também são vastos e aprimorados. Ele escolhe desde acessórios, móveis ou cores, que vão alterar a beleza desses ambientes.


Douglas Soler descobriu seu talento quando teve a oportunidade de ajudar um amigo na decoração de vitrines em lojas de moda. Também trabalhou em um escritório de arquitetura e concluiu seu curso de decoração no SENAC. “Comecei por hobby na decoração, mas acabou tornando-se uma profissão. Atuo com vitrines, decoração em arquitetura, mas o meu forte são os stands das grandes feiras em São Paulo/SP, que vão desde decoração, moda, joias, sapatos e roupas infantis”, explica.


Questionado sobre o bom gosto de seus trabalhos, ele fala da relação familiar, pois sua mãe sempre teve esse “feeling” e é uma apaixonada pelo tema. Douglas também é formado em Matemática e Física e diz ser exigente com a organização em todos os processos de seu trabalho. “Gosto da rotina para manter minha criatividade e deixo o meu dia programado. Analiso trabalhos de grandes nomes da arquitetura e decoração, mas tenho minhas próprias inspirações. Segundo ele, os estudos devem ser constantes e servem para novas ideias, como já lhe ocorreu alguns insights por meio de propagandas da Puma e da Louis Vuitton, por exemplo. “O bom dos meus clientes é que a maioria deles entende e compartilha das minhas ideias e conceitos, pois acredita no meu trabalho. Dessa maneira, o resultado é sempre um projeto de sucesso”.


Douglas é conhecido por seu bom gosto e arte de transformar as coisas em algo novo quando consegue agregar beleza dentro do que já existe ou em algo inusitado com o seu toque e diferencial. “Acredito que o cliente não precisa gastar muito, mas também não gosto de ‘modelos prontos', gosto de inovar. Existe sempre a proporção e o fluxo. Podemos agregar tudo o que o cliente tem de forma original e inovadora, pois o ambiente não deve estar somente bonito, ele precisa ser funcional. É preciso ter um olhar de lojista, mas de vendedor também. Muito mais que deixar a decoração impecável é preciso entender para quem meu cliente está vendendo e como ele coloca o produto em sua loja, realçando ainda mais sua beleza e identidade”.