Fim da licença maternidade

O Psicoterapeuta Thiago Guimarães dá dicas para amenizar o retorno da mulher para a rotina de trabalho.


Voltar ao trabalho após o nascimento do bebê pode ser um grande desafio para a grande maioria das mulheres. Geralmente, nessa fase, a mulher sente culpa, medo e acaba passando por um período de ansiedade por ter que deixar o bebê aos cuidados de outra pessoa após a licença-maternidade.


Segundo o psicoterapeuta Thiago Guimarães é comum que este período desencadeie estresse, ansiedade e até mesmo depressão. “Logo que o bebê nasce, a mulher se entrega totalmente para a maternidade. Ela ainda está tomada pelos hormônios que vão intensificar o desejo de cuidar e proteger o filho. Por isso, a volta à rotina profissional pode criar uma verdadeira luta interna. Muitas mulheres chegam a repensar a vida profissional para continuar vivendo a maternidade”, diz.


Porém, o psicoterapeuta garante que, com calma e paciência é possível amenizar este período de transição e facilitar o processo tanto para a mãe, quanto para o bebê e o restante da família. Confira algumas dicas para conseguir fazer a volta da licença-maternidade de uma forma mais tranquila.


SEM PRESSA

Volte devagar. Algumas semanas antes da data marcada para o retorno, vá até o local de trabalho, visite o espaço, converse com os amigos e tente se reaproximar das tarefas rotineiras. Busque saber sobre o que está acontecendo no ambiente profissional e se informe sobre o andamento do trabalho. “Assim a mulher pode começar a se inteirar do trabalho aos poucos e não é pega de surpresa com as novidades”, diz o psicoterapeuta.


PREPARE QUEM VAI CUIDAR DO BEBÊ

Antes de voltar ao trabalho, faça um período de preparação com quem vai ficar com o bebê. Dessa forma, a mulher se sente mais segura para voltar a trabalhar e deixar a criança. Será uma fase nova tanto para a mãe quanto para o bebê e a nova cuidadora. Por isso, orientar e acompanhar o desenvolvimento dessa relação pode deixar todo mundo mais confortável.


CUIDADO COM A INSEGURANÇA

O bebê tem a capacidade de sentir tudo o que está acontecendo à sua volta. Por isso é muito importante que a mãe esteja segura neste momento de transição. Por pior que seja esse momento é importante que a mãe tente passar tranquilidade para que a criança se sinta calma e segura durante a ausência da mãe.


CULPA

A vida é fluida e precisa seguir em frente. O fim da licença-maternidade e o retorno da mãe ao trabalho é uma fase natural e sadia para a mãe e o bebê. “A mãe não precisa se sentir culpada. Esta é só mais uma fase de muitas outras que ainda virão pela frente. É importante que a mãe permita que o bebê se desenvolva e cresça emocionalmente, por mais difícil que isso seja”, finaliza o psicoterapeuta Thiago Guimarães.


Thiago Guimarães

Psicoterapeuta

Site: thiagoguimaraes.com

Contato: (17) 98160.0251